Selo vai permitir que queijo do ES seja vendido pelo país

22/07/2019

Produtores de queijos artesanais poderão vender seus produtos regulamentados em todo o território nacional. Uma nova lei vai facilitar que os fabricantes consigam um selo único e, com isso, eles poderão ampliar o mercado consumidor hoje restrito aos seus municípios.

Não é que antes eles eram proibidos de comercializar nacionalmente, mas o elevado grau de exigência e a burocracia para conseguir certificações federais atrapalhavam a venda para outros Estados.

A certificação de agora promete ser mais simples e de fácil acesso para os produtores. Para consegui-la, os alimentos deverão ter características e métodos de produção tradicionais, que serão fiscalizados por órgãos de saúde pública dos Estados e do Distrito Federal.

A expectativa é que a novidade seja positiva tanto para os produtores quanto para os consumidores, que terão acesso a produtos de qualidade e de várias regiões do Brasil.

A certificação de agora promete ser mais simples e de fácil acesso para os produtores. Para consegui-la, os alimentos deverão ter características e métodos de produção tradicionais, que serão fiscalizados por órgãos de saúde pública dos Estados e do Distrito Federal.

A expectativa é que a novidade seja positiva tanto para os produtores quanto para os consumidores, que terão acesso a produtos de qualidade e de várias regiões do Brasil.

“É uma luta antiga e um grande avanço para o país. Ainda não resolveu a situação de outros produtos, como embutidos e defumados, mas já ajuda muito”, afirma o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado (Faes), Júlio Rocha.

Rocha ressaltou que muitas pessoas não entendem como são os processos de produção. No caso do queijo, órgãos de controle exigiam que a cura fosse em prateleiras de aço. “O que eles não consideravam antes são os benefícios da cura em prateleiras de madeira, nas quais se cultivam bactérias benéficas que aumentam a qualidade do produto.”

Para ele, os melhores queijos são feitos com leite cru, sem pasteurização. Para isso é preciso tomar alguns cuidados com zoonoses e com usos indevidos de medicamentos. A lei determina, nesses casos, que a queijaria precisará ser situada em estabelecimento rural certificado como livre de tuberculose e brucelose, segundo normas do Programa Nacional de Controle e Erradicação ou controlado pelo órgão estadual responsável.

Além disso, o queijeiro artesanal deverá cumprir requisitos sanitários estabelecidos pelo poder público. Rocha concordou que essas determinações são importantes e poderão, futuramente, ajudar o produtor a se inserir no competitivo mercado internacional.

Outra preocupação da Faes é o bem-estar dos produtores. “Essas pessoas precisam de condições de vida e trabalho dignas, com qualidade e rentabilidade. Novas indústrias de laticínios estão se instalando no Estado, então há demanda”, concluiu.

O italiano Amedeo Mazzocco, dono da Queijos Orolatte, produz queijos artesanais em Venda Nova do Imigrante e está feliz com a sanção da lei. “Poderemos vender em todo o Brasil com notas fiscais e comprovando a qualidade de nossos produtos. Isso facilitará muito e acredito que ajudará na economia do país”, comenta.

ENTENDA AS MUDANÇAS

Comercialização

Antes: venda local

A comercialização de queijos artesanais ficava muito limitada ao município ou ao Estado de produção, onde as mercadorias eram fiscalizadas. Não é que os produtores estavam proibidos de vender para outros Estados, mas o elevado grau de exigência e de burocracia para conseguir certificações federais atrapalhavam os produtos a ganhar o mercado nacional.

Interestadual

Agora, produtores poderão ampliar a venda regulamentada para todo o país. O produto artesanal será identificado pelo Selo Arte em todo o território nacional.
Tradição Com o uso de receita tradicional, o produto final deverá ser genuíno, manter as características tradicionais, culturais ou regionais do produto.

Técnicas de produção

Nas fases do processo de produção, técnicas e utensílios utilizados que influenciem ou determinem a qualidade e a natureza do produto final devem ser manuais.

Ingredientes naturais

O uso de ingredientes industrializados deve ser restrito ao mínimo necessário, vedada a utilização de corantes, aromatizantes e aditivos.

Segurança alimentar

O queijeiro artesanal deverá cumprir os requisitos sanitários estabelecidos pelo poder público.

Boas práticas

Boas práticas agropecuárias e de fabricação garantirão a produção de um alimento seguro ao consumidor.

Por: A Gazeta