CNA debate projetos de cooperação no Fórum Econômico Mundial sobre sustentabilidade

26/09/2018

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) foi convidada para contribuir com um projeto realizado pelo Fórum Econômico Mundial na área da agricultura. O convite foi feito nesta terça-feira (25), pelo chefe da iniciativa Sistema Alimentar do Fórum Econômico Mundial, Sean de Cleene, em Nova York.

Segundo a superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra, foi solicitado o engajamento da entidade para promover o Food System Initiative no Brasil. “Seria uma plataforma para desenvolvimento de parcerias que promovam a agricultura no Brasil e na América Latina, estimulando soluções que tenham impacto regional, mas que também possam ser replicadas em outros países”, afirmou ela.

A cooperação foi o principal foco do segundo dia do Fórum Econômico Mundial sobre sustentabilidade. A superintendente de Relações Internacionais da CNA e o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Daniel Carrara, estiveram presentes em várias atividades da programação.

Lígia observou que existe um interesse muito grande de empresas do setor rural, financeiro e do próprio Fórum Econômico Mundial em trabalhar mais com o Brasil e promover o encontro entre produtores rurais e instituições para impulsionar o debate sobre agricultura e o futuro da atividade para o mundo. Na opinião dela, o Brasil tem muito a contribuir com esse desafio, mas ainda participa pouco e de forma muito “tímida” dessa discussão.

“O Fórum Econômico Mundial é organizador da iniciativa New Vision for the Agriculture e está buscando maior participação de instituições líderes no setor agropecuário para se engajar na América Latina. Esse projeto representa um forte impulso dentro do nosso país, mas os produtores rurais precisam se envolver nisso”, declarou.

Os representantes da CNA e do Senar participaram dos painéis “Soluções de clima natural de escala”, “Acelerando a Inovação das Proteínas”, “Mobilizando Mercados de Capitais para a Resiliência Ecológica” e “Desenvolvimento Sustentável na Quarta Revolução Industrial”, entre outros.

No painel “Mobilizando Finanças para o Impacto” foi discutido o espaço fiscal necessário para implementar as metas de desenvolvimento sustentável (SDGs, em inglês) pelos países em desenvolvimento. “Será necessário 14% do Produto Interno Bruto para aumentar os gastos públicos que levem ao desenvolvimento, além de governança para reduzir a corrupção e melhorar o ambiente de negócios”, disse Lígia Dutra.

Paralela – Daniel Carrara e Lígia Dutra também cumpriram uma agenda paralela de encontros com representantes do jornal Financial Times, da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos e da World Farmers Organization (WFO), entre outras entidades.

Para Daniel Carrara, a presença da CNA e do Senar em um evento como o Fórum Econômico Mundial foi muito importante para o agronegócio brasileiro. Na opinião dele, o contato estabelecido com personalidades empresarias de todo o mundo deverá reverter, futuramente, em novos encontros e uma maior visibilidade para o setor.

“É um evento diferente, com CEOs e presidentes das principais companhias e bancos do mundo. Pela primeira vez, o agro está representado aqui e pôde falar e colocar os seus números e a sua experiência para um grupo de pessoas selecionadas”, destacou o diretor-geral do Senar.

Fonte: CNA Brasil